Buscar

Nota pública



Após a divulgação da nota da Comissão de Igualdade Racial da OAB Maringá acerca do recente episódio retratando a prática conhecida por “black face”, a UniFCV se manifestou junto à OAB Maringá reafirmando sua postura sólida e consistente na promoção dos direitos humanos e de uma educação responsável e crítica.


Acima de tudo, reconhece-se a ausência de má-fé ou mesmo intencionalidade dos estudantes em praticar um ato consciente de racismo, que foi pontualmente sensibilizado e orientado pela Professora que ministrava a aula.


A ambientação do episódio em uma instituição de ensino superior é cheia de significado. A Ordem acredita no papel essencial da educação para o aprimoramento de pessoas e da sociedade, e que a luta por um país e um mundo em que tais ocorrências façam parte somente do passado depende essencialmente de instituições com a postura e a envergadura da UniFCV, a qual exerce um papel essencial de liderança na construção de uma sociedade mais livre, inclusiva, justa e solidária em Maringá pela via da educação, tanto por meio de sua Reitoria e Diretoria, quanto pelas Coordenações de Cursos, que efetivamente lideram há anos iniciativas únicas na promoção da justiça social.


A OAB Maringá reitera, como sempre fez, o seu compromisso em ser um instrumento de justiça social. A luta pela transformação e evolução de nossa sociedade deve ser baseada no acolhimento, na compreensão e no diálogo. Justamente por isto, considerando que a UniFCV, no exercício de sua autonomia, e, ainda, em reafirmação aos valores anteriormente mencionados, antes mesmo da publicação da nota da Comissão de Igualdade Racial, já havia empreendido os esforços não só legítimos, mas, também, necessários ao esclarecimento do ocorrido, no sentido da publicação uma nota de esclarecimento, ainda, a abertura de uma sindicância interna, é que a OAB Maringá reafirma seu apoio à UniFCV.


O papel indispensável da luta contundente e dos posicionamentos firmes na defesa intransigente da igualdade racial produz os melhores efeitos quando desperta olhares para questões sensíveis e gera conscientização; a partir daí, a promoção da verdadeira transformação social, tão necessária e desejada em nosso País, depende essencialmente do acolhimento a todos aqueles que se mostram verdadeiramente dispostos a aderir a esta evolução, no que se destaca o posicionamento sincero dos estudantes envolvidos no sentido de não haver intenção de ofensa ou prática consciente de ato de racismo.


A OAB Maringá acredita que transformar a história passa por educar o indivíduo. A construção da ética, portanto, só é válida com a postura aberta e conciliadora, que permita ativamente a mudança de posturas e posições. Nada mais nobre, assim, do que a posição da pessoa que, mesmo de boa-fé, reconhece o caráter historicamente negativo de um comportamento seu, e nesse processo se torna nova e maior. Esse processo de crescimento dos estudantes com o episódio, no caso comentado, tem sido efetivamente conduzido pela UniFCV, no que a instituição conta com todo o apoio e reconhecimento da OAB Maringá. É aí que a atuação da Comissão de Igualdade Racial produz efeitos históricos ao despertar olhares para que outros atores adotem a mesma postura da UniFCV, no que sua atuação contará com o apoio e compromisso da Diretoria da OAB Maringá.


Ainda, a UniFCV comunicou à Ordem que se postou à plena disposição de todos os estudantes e da comunidade, tanto para construir o entendimento entre os envolvidos quanto para prestar pleno e irrestrito apoio a todos que tenham sido ofendidos pelo episódio. Assim, aquela instituição reitera o seu compromisso com a promoção da igualdade racial em nossa sociedade, no que a OAB Maringá reconhece a postura responsável e proativa da UniFCV na gestão do episódio.


Continuamos todos comprometidos com a promoção igualitária de direitos em nossa sociedade, processo cuja liderança a Ordem nunca se furtará a exercer, contando sempre, como anteriormente mencionado, com o apoio e colaboração de instituições valorosas como a UniFCV.

209 visualizações0 comentário