top of page
Buscar

Advocacia paranaense pode procurar Cejusc para realizar audiências virtuais


Os Centros Judiciários de Solução de Conflitos (Cejusc) já estão preparados para operar as audiências online de conciliação e mediação por meio de ferramentas virtuais/digitais, conforme a portaria nº 3742/2020  da 2ª Vice-Presidência do Tribunal de Justiça (TJ-PR). Os advogados paranaenses podem peticionar diretamente nos autos, indicando o interesse pela realização da sessão de mediação ou conciliação por meios digitais.


De acordo com a coordenadora do Cejusc, juíza Vanessa Jamus Marchi, embora os prazos processuais estejam suspensos não há impedimentos para a realização das audiências.  “Os prazos estão suspensos por força do Decreto 172/2020 do TJPR, em consonância com as determinações do CNJ. Por isso, não há como se intimar as partes e os advogados para comparecerem às audiências do Cejusc. Mas os advogados podem e devem requerer a realização delas”, pontua.


“Hoje temos quase 2.500 processos represados nos Cejuscs, que são as audiências canceladas – cerca de 2.100 são audiências preliminares que correspondem ao art. 334 do CPC 2015. Enquanto essas audiências não ocorrerem, os prazos de contestação não passam a fluir. A quarentena vai nos impor um atraso processual muito grande. Então, seria muito importante que os advogados buscassem o Cejusc nesse momento, requerendo a realização da audiência anteriormente cancelada, seja para efetivamente obter transação, seja para superar a fase do art. 334, deixando o processo apto para o início da contagem do prazo para contestação, quando finda a suspensão dos prazos processuais”, explica a magistrada.


Economia

A coordenadora do Cejusc frisa que o Paraná tem hoje condições de oferecer uma prestação jurisdicional mais célere que em outros estados.  “É interesse do advogado promover o andamento do processo. É interesse da parte. O processo tem que ser analisado pelo viés econômico: um processo paralisado é dinheiro que não circula. O advogado não recebe seus honorários, a parte não vê seu direito satisfeito. O represamento de audiências neste momento trará efeitos negativos para todos”, avalia.


“O prejuízo é muito mais do advogado e da parte do que do Judiciário. Em tempos de pandemia, em que a economia está sendo violentamente atingida, como estamos percebendo, a função do Judiciário é também oferecer meios para que a moeda circule, para que se mantenha a normalidade do estado de coisas. É permitir que o advogado receba seus honorários e a parte o que lhe cabe por direito, acrescenta Vanessa Jamus Marchi. 


A magistrada lembra que o CNJ disponibilizou uma plataforma virtual emergencial, mas ela não é a única que pode ser utilizada: a Portaria nº 3742/2020 permite que a audiência aconteça por outras vias – zoom, facetime, hangout e outras plataformas que permitam a realização das audiências.  


“Acreditamos que não há condições do sistema de justiça funcionar se não houver parceria entre o Judiciário, o Ministério Público e a OAB. Não existe a menor possibilidade – ainda mais num momento de crise como essa – que essas três instituições não estejam engajadas e olhando para a mesma direção. O Poder Judiciário do Paraná fará o que puder para que a advocacia se realize nesse momento, para que a economia não pare, para que os contratos se mantenham e o oportunismo não prevaleça. Vamos fazer o que estiver ao nosso alcance”, afirmou.


O contato com o Cejusc pode ser feito pelo e-mail conciliacaoforumcivil@tjpr.jus.br e pelo telefone (41) 99924-4017


ESA/PR

A Escola Superior de Advocacia da OAB Paraná realizou live no último dia 3 de abril sobre como será o funcionamento das sessões/audiências por meios virtuais de Conciliação (Juizados Especiais) e Conciliação e Mediação (CEJUSCs) autorizadas pelas Portarias 3605/2020 e 3742/2020 do TJPR. A conversa aconteceu com o Assessor da 2ª Vice-Presidência do TJ-PR, Leonardo Andrade Ferraz Fogaça, e a coordenadora de Direito Privado da ESA OAB/PR, Marília Pedroso Xavier Confira a íntegra aqui. 

“Acredito que a recente Portaria 3742/20 vem em boa hora e com grande acerto. Penso que seu maior mérito é dar a mais ampla liberdade para os procuradores e partes. Afinal, eles decidirão se desejam ou não se valer dessa via e qual seria a melhor plataforma para aquele caso concreto. Lembro que não há qualquer tipo de sanção para os que não desejarem aderir as sessões virtuais”, afirma Marília Pedroso Xavier.


O Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos (NUPEMEC) também está à disposição da advocacia para eventuais dúvidas: nupemec@tjpr.jus.br e pelo whatsApp 41-32002397.

52 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page